22.1.16

Curso de Mediação de Conflitos em Porto Alegre (RS)


Estão abertas as inscrições para o “Curso MEDIAÇÃO DE CONFLITOS: NOVO PARADIGMA À CONSTRUÇÃO DA PAZ”,  reconhecido pelo INAMA/RS - Instituto Nacional de Mediação e Arbitragem, filiado ao CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem. O referido curso, a ser oferecido em Porto Alegre (RS), divide-se em dois módulos: o primeiro  corresponde à teoria e fundamenta a compreensão da Mediação de Conflitos. O segundo  compreende a prática supervisionada de casos reais e durante este estágio, na qual o aluno passará por três diferentes posições no exercício da Mediação – observador, co-mediador e mediador.
Mais informações: http://clipmed.blogspot.com.br/



6.10.15

Como fica a mediação escolar com a Lei de Mediação?

A  Lei de Mediação (Lei 13.140/15) ainda não entrou em vigor (ainda bem, pensariam alguns...), mas continua a lançar dúvidas sobre determinados pontos, principalmente no que se refere a sua pretensão de abarcar também a mediação extrajudicial, cujo alcance prático pode ser tão amplo que parece ter passado desapercebido pelos legisladores. De acordo com o artigo 9.º da referida lei, "poderá  funcionar como mediador extrajudicial qualquer pessoa capaz que tenha a confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação, independentemente de integrar qualquer tipo de conselho, entidade de classe ou associação, ou nele inscrever-se". Em termos jurídicos, "pessoa capaz" representaria alguém com capacidade civil que, resumidamente e abrangendo apenas o aspecto etário, corresponde a dezoito anos completos. Em resumo, de acordo com a novíssima Lei de Mediação, apenas pessoas com mais de dezoito anos podem ser mediadoras (caso essa legislação estivesse se referindo a uma capacidade técnica, não haveria necessidade de ter acrescentado a expressão "seja capacitada para fazer mediação"). 

Diante desse quadro, como ficará a mediação escolar em nosso país? Trata-se de uma mediação extrajudicial, cujos atores fundamentais são estudantes, com menos de dezoito anos. Serão impedidos de ser mediadores? 

5.10.15

Modelo Generativo de Mediação


O processo de mediação de conflitos pode ser embasado em alguns modelos práticos, sendo que os mais conhecidos são o Tradicional (Escola de Harvard) e o Transformativo. Mas existem outras abordagens que podem auxiliar os mediadores, entre elas o Modelo Generativo, proposto pela psicóloga argentina Dora Fried Schnitman, que esteve em Porto Alegre junto com a mediadora Vania Curi Yazbek para falar sobre o tema, a convite do Programa de Encontros de Formação Continuada do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do TJRS e o Núcleo de Estudos em Mediação da Escola da AJURIS (ambos Coordenados pela Desembargadora Genacéia da Silva Alberton).

Dora é organizadora do livro "Novos Paradigmas em Mediação", livro cuja versão digital está disponível ao público e pode ser encontrada

4.6.14

Curso Gratuito de Mediação Comunitária (à Distância)

Até o dia 19/06 estarão abertas as inscrições para o curso “Fundamentos da Mediação Comunitária”, que será promovido pela Escola Nacional de Mediação e pelo Centro de Educação à Distância da Universidade de Brasília – CEAD UnB. O curso, que é gratuito, tem como objetivo sensibilizar a comunidade em geral para a mediação comunitária, a partir da reflexão crítica sobre as limitações dos modelos adversariais. Será apresentada

22.5.14

Projeto de Lei de Mediação é retrógrado em relação a Novo Código de Processo Civil

Em fevereiro de 2014 chegou à Câmara dos Deputados a emenda substitutiva do Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 517 de 2011, e que agora tem novo “nome”: Projeto de Lei (PL) 7169/2014. Trata-se de mais um projeto legislativo a respeito da mediação que é polêmico, pois se mostra retrógrado em relação ao projeto do Novo Código de Processo Civil (cujo conteúdo foi disponibilizado para um debate on-line, onde qualquer cidadão poderia fazer sugestões) que, aliás, teve sua redação final aprovada pela Câmara dos Deputados em março deste ano.

Um dos pontos controversos do projeto de lei é a eliminação da obrigatoriedade da tentativa de mediação (não confundir com obrigatoriedade da mediação propriamente dita, que feriria o princípio da voluntariedade), já mencionada aqui em dezembro do ano passado. Infelizmente, existem ainda outras disposições temerárias. Especialistas renomados no assunto já apresentaram suas restrições com relação ao referido projeto legislativo e alguns deles posicionam-se claramente contrários à sua aprovação, como os professores Ada Pellegrini Grinover e Kazuo Watanabe, que demonstram, em uma matéria publicada em maio deste ano, os “principais defeitos” desse projeto de lei de mediação.

Caros leitores, se vocês realmente se interessam pelo futuro da mediação em nosso país, não deixem de se informar a respeito desse projeto de lei e manifestem suas opiniões em suas redes de contato. Cada um de vocês pode fazer a diferença!

27.3.14

No mês dedicado à mulher, uma triste realidade: no relatório do Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre a tolerância social à violência contra as mulheres (de 27/03/2014), 58,5% dos entrevistados, concordaram, total ou parcialmente, que “se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros”, enquanto que 65,1% concordaram, total ou parcialmente, que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.



De acordo com o relatório, por trás dessas afirmações, "está a noção de que os homens não conseguem controlar seus apetites sexuais; então,as mulheres, que os provocam, é que deveriam saber se comportar, e não os estupradores.

18.1.14

Curso de Mediação de Conflitos em Porto Alegre (RS)

A Clínica de Psicoterapia e Instituto de Mediação (CLIP) lança a edição 2014 de seu curso "Mediação de Conflitos: Novo Paradigma à Construção da Paz", cujas informações podem ser obtidas no folder abaixo: