24.6.08

Curso de Formação de Agentes de Mediação Comunitária é iniciado em Porto Alegre



Foi inaugurado no dia 20/06 em Porto Alegre o primeiro Curso de Formação de Agentes de Mediação Comunitária no Rio Grande do Sul, a ser realizado nas dependências do Instituto Cultural São Francisco de Assis - Unidade Centro de Promoção da Criança e do Adolescente, no Bairro Lomba do Pinheiro. O referido Curso, elaborado pelos integrantes do Núcleo de Estudos de Mediação da Escola Superior da Magistratura da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (AJURIS), sob a Coordenção do Dr. Jose Luis Bolzan de Morais, tem a finalidade de formar Agentes de Mediação Comunitária que estarão capacitados a tratar dos conflitos de sua própria comunidade, envolvendo principalmente problemas de vizinhança e questões familiares.

O objetivo da mediação é que as pessoas em conflito possam restabelecer a comunicação rompida e lidar com as suas diferenças da melhor forma possível, inclusive chegando a um consenso sobre a melhor solução a ser tomada no seu caso. Tendo em vista que os conflitos da comunidade, quando mal resolvidos, podem chegar a uma escalada de violência e vêm bater às portas do Judiciário, a Mediação Comunitária tem um importante papel preventivo e valoriza a autonomia da decisão das pessoas sobre suas vidas. Não é à toa que esse projeto está contanto com o apoio da Secretaria da Reforma do Judiciário, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul.


O evento contou com a participação da representante do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, Desembargadora Genacéia da Silva Alberton, que também é membro ativo do Núcleo de Estudos de Mediação da AJURIS. A Desembargadora ressaltou que o presidente do Tribunal estava acolhendo plenamente essa iniciativa inédita na história do Poder Judiciário, pois “pela primeira vez nós temos um projeto em que o Tribunal de Justiça se apresenta como parceiro, não como um membro de poder, mas sim como aquele que está ao lado da comunidade, acreditando no trabalho que será feito na própria comunidade”. Acrescentou, ainda, que “o Judiciário está plenamente consciente de que ele não é o único porta-voz, o único local em que é possível se fazer justiça”, uma vez que é possível se encontrar entendimento nas próprias comunidades. Ao final, agradeceu a comunidade da Lomba do Pinheiro por acreditar no projeto, buscando, dessa forma, a mudança, o fortalecimento da cidadania e uma cultura de paz.

Também estavam presentes o Secretário da Reforma do Judiciário, Rogério Favreto, a representante da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul, Defensora Pública Marisângela Minuzzi, o representante da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Rio Grande do Sul, Advogado Ricardo Dornelles e o representante do Governo Provincial do Rio Grande do Sul, Frei Blásio Cummer.

Na aula inaugural, a Juíza Rosana Broglio Garbin apresentou um panorama sobre o projeto de Mediação Comunitária, idealizado pelo Núcleo de Estudos de Mediação da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (AJURIS), que conta com o apoio das instituições referidas acima. Ao final, o Frei Luciano Bruxel, responsável pela Unidade Centro de Promoção da Criança e do Adolescente do Instituto Cultural São Francisco de Assis, falou à comunidade sobre a importância da mediação no contexto social.


Participarão das aulas do Curso de Formação de Agentes de Mediação Comunitária 37 pessoas da comunidade da Lomba do Pinheiro, previamente selecionadas. As aulas ocorrerão aos sábados em um total de 40h. Ao final, os agentes de mediação realizarão uma prática supervisionada. O conteúdo programático do curso está dividido em dez módulos:

  1. A Mediação Comunitária (introdução)
  2. Estado e Cidadania / Justiça e Mediação
  3. O Conflito
  4. A Comunicação Humana
  5. A Mediação
  6. Modelos de Mediação
  7. Mediação Comunitária (dois módulos)
  8. Noções Básicas de Direito
  9. O Agente de Mediação

O Curso contará com a participação de professores das áreas do Direito, da Psicologia e do Serviço Social, praticantes e estudiosos da Mediação, integrantes do Núcleo de Estudos de Mediação da AJURIS e vêm dedicando parte de seu tempo a este projeto por acreditarem na importância de sua proposta: Izabel Cristina Peres Fagundes, Fabiana Spengler, Lisiane Lindenmeyer Kalil, Marco Aurélio Silva Soster, Marilene Marodin, Ricardo Dornelles, Rosana Broglio Garbin, Rosane Ramos de Oliveira Michels e Rosemeri Seewald.

.


Queridos leitores: não posso deixar de compartilhar com vocês meu orgulho de poder contribuir para esse projeto! Torçam para que ele dê certo, pois o seu resultado deverá servir de inspiração à implantação de outros Núcleos de Mediação Comunitária no nosso país, de acordo com o Secretário da Reforma do Judiciário, Rogério Favreto.

9.6.08

Gentileza

Gentileza Gera Gentileza



A Mediação, que busca, fundamentalmente, restabelecer o diálogo entre as pessoas em conflito, é muito facilitada pela gentileza. Infelizmente, no entanto, essa prática é cada vez mais rara em nosso cotidiano. Mas não podemos deixar que a gentileza entre em extinção! Imagine quantos conflitos poderiam ser evitados se as pessoas fossem mais gentis...

Por isso, além de procurar ser gentil no seu dia-a-dia, participe da campanha idealizada pelo site gentileza.net e passe essa idéia adiante! É uma iniciativa que merece ser valorizada e vivida (por que a gentileza se aprende através de exemplos!). Além disso, a gentileza sincera faz bem à saúde, na medida em que diminui o estresse e todas as complicações que ele pode trazer à nossa vida.

Abaixo algumas sugestões de atitudes gentis extraídas do referido site:

“Gentileza é...

deixar as praias limpas! Recolha, por gentileza, o lixo que você produzir.

recolher a sujeira que seu bichinho de estimação deixar na rua. Tenha certeza que, se pudesse, ele faria essa gentileza!

andar com bichinhos de estimação apenas no elevador de serviço. Sabe como é, bichanos não gostam de ser flagrados descendo para a farra no elevador social.

não deixar o seu bicho de estimação sozinho! Quando viajar, deixe seu amigo com algum conhecido ou hotel especializado.

deixar a faixa de pedestres livre para quem está a pé. Afinal, amanhã pode ser você quem precise atravessar a rua, não é mesmo?

não atravessar a rua no meio dos carros. Os automóveis não transitam pela calçada, concorda?

ceder passagem para ambulâncias, bombeiros e carros de polícia. Travar o caminho pode ser a diferença entre a vida e a morte para alguém.

desacelerar quando vir o sinal amarelo.

não estacionar em fila dupla. Além de um engarrafamento, você pode causar acidentes!
ceder a vez no trânsito. Este é um gesto que vai lhe custar apenas alguns segundos e faz toda a diferença para o próximo!

deixar o celular em vibracall em lugares públicos. Ninguém merece ficar ouvindo tons ou musiquinhas que não escolheu...

ser breve ao celular quando estiver acompanhado.

esperar a apresentação teatral acabar para atender ou falar ao celular. É gentil com o resto da platéia e sobretudo com os atores.

ocupar apenas o seu lugar em cinemas, teatros ou shows. Sua bolsa não vai se importar em ver a apresentação no seu colo, não é?

não apoiar os pés na poltrona da frente, mesmo que ela esteja vazia. Já pensou se você, ao se recostar, encontrasse uma sola de sapato?

falar baixo no restaurante. Além de inconveniente, é muito chato todos saberem os detalhes de sua conversa, não é?

fumar apenas em locais permitidos. Além de ser educado, agora é lei!

parar de fumar! Seu organismo agradeceria a você.

esperar todos terminarem de comer para acender seu cigarro.

evitar charutos, acendendo-os apenas em áreas reservadas. O cheiro deles incomoda mesmo os fumantes de cigarro.

mostrar aos seus filhos como é importante se comportar em um restaurante. Ser educado é ser gentil!

ter piedade do nariz alheio e não exagerar no perfume.

ceder a vez, ou o lugar, para idosos, gestantes e deficientes físicos. Nem precisava regulamentar esta cortesia, não é?

usar “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite”, “obrigado”, “por favor”, “desculpe” e “com licença”. Além de gentil, isto pode abrir uma série de portas para você.

não conversar em voz alta nos elevadores. Todo mundo escuta a sua conversa, e isto pode ser inconveniente, não acha?

não empurrar as pessoas para entrar ou sair dos trens ou metrô. Tenha calma que você chegará ao seu destino.

deixar um espaço à esquerda nas escadas para que os mais apressados possam passar. Respeite o ritmo de cada um!

esperar com paciência a sua vez de ser atendido, no banco, na loja etc...”


Querido(a) assinante do blog: para você, o que é ser gentil? Participe, faça essa gentileza, vá até a página do blog Mediação de Conflitos e dê a sua opinião no link Comentários.